É possível

É possível
com palavras muito simples
que entre a ilustração e a letra exista sempre uma história
de terna treta e alucinante memória
com palavras muito simples
de lambretas sem gasolina de quem as “arranque”
de rosas-espinho sem memória de quem as ame
de merdas notórias sem que ninguém gostasse de as limpar, adiante homem! Esqueça! Adiante!
de notícia vexatória para possivelmente ser notória, gigante!
é possível tudo isto e sê-lo em Glória
é possível ser gente
é possível ser pequeno ou grande
ou meia gente
com palavras muito simples
com palavras muito simples, tudo é possível
até que entre a rima e o verbo exista sempre uma relação de lugar
com palavras muito simples
pois, histórias são apenas histórias
e, temos sempre disponível à mão (se o quisermos) o advérbio de lugar
com palavras muito simples (para quê a maniazinha masoquista de o complicar?) que saem não se sabe bem porquê, nem tão pouco
se são para ficar
se são nossas ou se somos nós nelas a nos "achar" (autenticas gibosidades)
assobio eu para o ar, pergunto-me, porque é que me pergunto até onde chega o meu silvar?
penso eu, cá para mim
é tudo um aviso em redor, como a própria subjectividade objectivada da leveza do ar
com palavras muito simples
como no lume que vai ardendo devagarinho, num quente devagar
como a seiva que escorre da lenha a fora num pleno suor de “rua”, “ fora”, " por favor, deixa-me estar"
com palavras muito simples, de um eterno e veracíssimo ser e estar
confesso que me desenroupo e “visto”
e o corpo mantém-se “tosta misto”
topas-me isto? sou um homem morto e vivo
assim me “visto”
por certo e a torto. " E isto? " O que é para mim "eu existo?"
é insistir na existência ou existir na insistência?
entre o falar e o silenciar existe sempre um ao de leve barganhar
tretas. Todas nelas a comprar (É bom ouro, é bom ouro, diz o pobre pároco, toca a alindar o altar!)
com palavras muito simples
é possível viver e ver tudo disto e mais ainda e deixar estar
entre a ilustração e a letra existe sempre uma história
pois, a mentira quer-se na verdade
e, a verdade na mentira
o resto é só memória
é possível assim o pensar
se o impossível é não o pensar
talvez amanhã eu perceba o que estou para aqui a falar
com palavras muito simples
com palavras muito simples
amo palavrar

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL