À volta do tempo

Estenderam-se as mãos. Apertaram-se com força. Mais de trinta anos separam este aperto de mãos do penúltimo.
Foi-nos fácil fazer as contas; no penúltimo, a tua filha mais velha ainda não era nascida e, ela já tem mais de trinta anos; depois perguntastes-me pelos meus...; o trivial depois de um reencontro ao fim de tanto tempo... Também a Laura, minha amiga, colega de turma no antigos 6º e 7º do Liceu e no "marca-passo" do Propedêutico, estava feliz!
É a vida!
A vida é cheia de surpresas surpreendentes que nos surpreendem e nos deixam surpresos (gosto dos exageros exagerados dos pleonasmos, dos (bi)pleonasmos; dos (tri)pleonasmos; dos (tetra) pleonasmos e sinto frustração por não me conseguir exceder mais ainda...), gosto da vida e dos seus mistérios que nos transformam em alegres saltimbancos...
Nessa altura do liceu, vocês não suspeitavam sequer da existência um do outro. As vossas metades caminhavam separadas, percorrendo os caminhos afunilados e convergentes que vos iam conduzindo inexoravelmente ao momento em que os olhos de um e do outro se cruzaram, pararam, fixaram e resolveram seguir juntos o caminho que se tornou comum, usam chamar-lhe - AMOR! Reencontrei-vos seguros nos trilhos do amor e com mais uma paixão, a da FOTOGRAFIA!
O móbil do nosso reencontro foi a fotografia, porque eu necessitava de "refrescar" as minhas fotos usadas no Facebook, na figueiranahora.com, e no blog Ângulos Bicudos. Bicuda se tornou a tarefa que se repetiu e repetiu em ângulos e mais ângulos a descobrir, enquanto numa amena e alegre cavaqueira as horas foram passando... Também vos queria aliciar para outros projectos que me andam a fervilhar as ideias ou a "ervilhar" as "ervideias" ou as "verdideias"..., já não sei!!!!!
Ontem, pudémos comprovar mais uma vez que o tempo é uma ilusão que se esconde atrás das máscaras que cria! Trinta anos esbateram-se em trinta segundos, mas os ferretes das suas marcas, sem máscaras, estavam lá: eu, com as minhas canadianas; com a "barriguinha" que se me impôs contra a minha vontade e que, apesar de todo o desagrado que ainda hoje lhe manifesto, aquela desavergonhada sem pintinha de vergonha (- lá está outra vez o desavergonhado pleonasmo! Já é uma "plesseguição"!), não desanda, não me abandona; tu, és quase uma fotocópia do teu sereno pai. Incrível! Até na serena forma de olhar; a Laura, a mesma "menininha" de riso lindo, franco, fácil e aberto.
Nem tudo o tempo nos consegue roubar! Ele não nas consegue roubar, porque há coisas que são tão nossas, tão nossas..., que sem elas..., deixaríamos de sermos nós! Nessas, ele não consegue tocar!
Há outra coisa que me aborrece particularmente no desalmado tempo: sorrateiramente, com os fingimentos que lhe são característicos, dado como é a exageros..., ele conseguiu sem que me apercebesse..., fazer-me passar do M para o L; do L para o XL; do XL para o XXL, altura em que lhe dei um forte e valente grito: BASTA!
Cinco horas mais quatro horas, deram em nove e tal..., quase dez horas..., quando nos despedimos! Esta é também a matemática imprecisa do tempo infalível! Durante horas devorámos pipocas e mais pipocas de memórias gostosas... que saltitavam no caldeirão das recordações.
Nas horas dos próximos encontros, falaremos, visitaremos, aquele hiato de trinta anos..., desbobinaremos a corda que, nas suas pontas, liga aqueles dois referidos apertos de mãos. A tal corda que une o passado antigo e o presente, também, já passado, porque a vida é aquele instante que passa e nunca mais se repete, apesar de ilusoriamente parecer um permanente permanentemente repetido (- não podia terminar sem mais um pleonasmo! Ou, não fosse a vida, senão..., isso mesmo! - UM PERMANENTE PLEONASMO!)
Venham daí, essas fotos!
Obrigado amigos das doces memórias!

*Este texto foi escrito segundo os termos da ortografia anterior ao recente (des)Acordo Ortográfico.

P.S. Dedico estas recordações à minha amiga Laura e ao meu amigo Jota Palaio que o tempo preservou no poderoso conservante da amizade. Fica o propósito de, doravante, nos encontrarmos amiúde!
A mim!, prometo também, "refrescar" e repescar a vida e outras amizades..., e o próximo..., será o Pedro Barroso!

 

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL