a pior comédia do mundo

Estranha razão, aquela que ao de longe me tira e levanta a mão e ta dá nos olhos vesgos da escuridão, do que nunca houve, uma espécie de anda cá, esta mão toda te pertence. Ouve, desde o mais enterrado osso carpeado à mais incerta e estúpida falange de eterno enamorado que está sempre despido de tão errado. Haverá algum tipo de amor que também não seja errante? Classificando toda a natureza e o seu "passeio", tudo não passa de um fora de jogo de paleio, merda para as palavras e todo o picniqueiro (ai, como nunca fui tão certeiro).
Hoje, não apareceu o carteiro, mesmo assim não cesso, tenho mil e uma palavras e tantas outras cartas e nenhuma levou o senhor que estando na moda, deve estar de greve, ou então não é dia de passeio de cartas. Lá vou eu ter de queimá-las no que foi um dia apenas um breve mero cinzeiro. Hoje, é o meu grande amigo, sabe tudo e deixa-se ser o que é, sem grandes merdas nem grande paleio.
A noite demora toda uma eternidade com a luz das estrelas e as suas danças pelo céu que me consomem, paradas sim, como eu. Das maiores às mais pequenas, lindas de tão "fora" e daqui tão belas. Bora até lá? Bora. Votem nas estrelas, votem...o resto é blábláblá...
Até as fadas me visitam e uma (chata como a putaça) sempre me diz que cada um é o que é, não devemos ficar tristes ou confusos, devemos amar todo o ser humano, sendo esse o que deveras é para si, para os outros, para nós. Doendo todo o dente nos é, e, quando cai, é na almofada, essa pior comédia do mundo, o sítio onde devemos deixar a fada ir buscá-lo, que sendo desbocada até nossa amiga é. Deus me livre se ela me canta mais um fado. Deixo-a sempre ir e vir.
Se me mente? Olé!!! Afinal, o que é magia sem um pouco de acrescento de ingrediente?
Merda para as palavras, a vida é mais do que elas. Porém, nada dela seria sem grafos, grafias, ideias no papel, ou o que sobra delas. Silêncios. Falas? Babel.
Vida, todos aprendemos contigo a sermos panhonhas ou mauzinhos e de fazer o outro feliz. E, quando nos viras o espelho, olha para mim, eu sou tão feliz aqui! Com mil e dois desejos mais uma resma de peidos... ah! Obrigado pelos meus novos anjos, como o estranho caso de Peter Frampton, desde a ′lines on my face" até à ′baby i love your way′.
Obrigado almofada, és a pior comédia do mundo, e "sabes" tão bem ser como tudo é.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL