Brincar com o fogo!

Eu estou apavorado!
De tempo em tempo -tem sido uma constante na história da humanidade -, nasce um líder que toma um povo e uma nação como reféns da sua loucura e fá-los embarcar nos seus alucinados propósitos de conquistas e expansão bélicas. Consequentemente, deixa atrás de si um rasto de morte e destruição.
Podia, facilmente, preencher várias linhas com os nomes de muitos deles. Para quê? Tais anómalos, em nada nos dignificaram nem nos engrandeceram: olvidemo-los!
Acontece que, nos últimos séculos, encurtou-se o tempo e apressou-se a cadência. O último foi o " fúrias", peço perdão, foi o führer!
Presentemente, muitos homens de boa índole, muitos homens com os corações voltados para a paz, lutam contra o tempo, na tentativa de conseguirem que a humanidade complete a segunda década do século XXI d.C, porque o primeiro louco deste século (cujo nome me recuso a pronunciar por mero respeito por mim e por vós) já tomou o poder e já fez do seu povo e da sua nação reféns.
Dizem os ditados, de milenar sabedoria feitos, que "tantas vezes o cântaro vai à fonte..." ; "depressa e bem não há quem!". Pois, o perigo deste cocktail, está precisamente na combinação destes dois explosivos ingredientes.
É precisamente este o grande perigo que a humanidade corre. Impotente, ela assiste a uma escalada de provocações, produto de múltiplos e sucessivos testes militares que, a uma velocidade estonteante e em tempo recorde, aquele inqualificável vem psicoticamente realizando, tendo em vista a obtenção duma arma de inimaginável capacidade de destruição massiva.
Ora, acabo de chegar aonde pretendia! Tanta pressa, tanta rapidez, tanta fogosidade, irão resultar, fatalmente, num catastrófico acidente! A bomba vai, literalmente, explodir-lhe na cara! Nesse momento, "perdido por um, perdido por mil", como acontece com todos os galifões e com todos os cobardes, ele não assumirá as responsabilidades nem as suas culpas e inventará um hostil ataque externo, ao qual prontamente ripostará!
O potencial de destruição já é tal que ditará, certamente, o fim da humanidade como a conhecemos! Ninguém sabe quantos humanos sobreviverão. Porém, sei que não quero ser um dos sobreviventes: pelo contrário, perdoem-me o egoísmo, quero ser dos primeiros...
Záaasssss, páaaaasssss...

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

910 496 991 (comercial)

geral@figueiranahora.com

comercial@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL