Ok, vou falar de amor

Entramos no amor como quem entra num carro, esperando chegar a algum lugar, embora sem esse mesmo lugar marcado no mapa, sem coordenadas, ou coisas que lhe valham.
Entramos devagar, ajeitando os espelhos todos, verificando a água, a gasolina, o óleo e todos esses pormenores que evitam transtornos pelo caminho.
Tacteamos a embraiagem, carregamos no acelerador e avançamos, conquistando fronteiras, aprendendo novos horizontes que ganham forma do lado de fora do retrovisor.
Ligamos o rádio e cantamos músicas que julgamos fazerem parte da banda sonora das nossas vidas - talvez quem as escreveu se tenha lembrado de nós.
O caminho pode ser longo, para quem não sabe onde chegar.
A esperança dos viajantes é exactamente essa: nunca encontrar o último destino.
A esperança dos amantes deve seguir a mesma lógica: nunca encontrar o fim da viagem.
E então avançam, ambos, estrada fora, mudando de estação, cantando a mesma música em tons diferentes, desdenhando a sintonia, curvas atrás de curvas, e mais curvas, porque a vida não é toda em linha recta.
Talvez esta analogia não seja grande coisa, mas apeteceu-me falar de amor.
O amor de partir, sem a imposição de chegar.
O amor que conquista, que descobre caminhos, que engana todas as curvas.
O amor como uma viagem, com uma canção qualquer a tocar no rádio, a ser desafinada, a dois.
Talvez esta seja uma boa analogia para o amor. Não sei.

PedRodrigues

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

910 496 991 (comercial)

geral@figueiranahora.com

comercial@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL