Visitas

Recebo sempre muitas visitas em minha casa.
Desta vez, sem desprimor pelas outras visitas, apraz-me a revisita de Homero.
Ele veio lá dos confins do tempo para estar comigo. Desta vez, trouxe-me a Ilíada!
No decorrer duma agradável conversa, ele aproximou-se do meu ouvido e disse-me em surdina, cautelosamente, como se me confidenciasse um segredo maior:
-«Amigo, não se iluda! A humanidade, ou melhor, a natureza humana, não mudou nada desde os tempos imemoriais. Mudaram os trajes, mas não mudou a essência; não mudaram os propósitos, as ganâncias, nem tampouco a forma de intrigar e de espoliar.
Em Ílio ou Ílion (Tróia) naquele tempo, ou no Iraque na hodierna guerra, os seus actores são ou foram idênticos, e agiram ou agem da mesma forma, com os mesmos propósitos e a mesma selvajaria.
Dantes, como agora, filhos e pais, frontes de poderosíssimas famílias (Meges, é igual de Ares, filho de Fileu; Ulisses igual de Zeus no conselho; dos Cretenses eram comandantes, o famoso lanceiro Idomeneu e Meríonis, igual de Eniálio matador de homens; Aznar, Blair, Durão e Bush filho, são filhos iguais aos demais, são igualmente... iguais..., iguaizinhos...), planearam, investiram, comandaram e acordaram na repartição do saque do produto daquilo a que chamam guerra.
Em comum, os métodos, o concerto (acordo) dos mandantes numa ilha, desta feita, na Terceira, a dos Açores, ilha no meio do oceano Atlântico muito distante do teatro da futura guerra.
As negras naus foram substituídas por ferozes, traiçoeiros e rapaces bombardeiros, lançadores da morte em forma de bombas caídas do céu, agora, os contendores são dispensados de se olharem nos olhos.
Nessa ilha, durante esse refinado encontro, foram devidamente acertadas as recompensas, a divisão dos despojos, as futuras ascensões proporcionadas pela infame "guerra", etc..., etc..., etc...
- Guerra?!!!; - Terá sido uma guerra?; - Terá sido uma luta, um combate?!; - Luta e combate verificam-se quando há proporcionalidade de forças, quando há proporcionalidade de armas e de meios..., senão..., é agressão pura do forte contra o fraco ou contra o indefeso...
Enfim! Foram atingidos os propósitos, os fins..., e o petróleo e as riquezas espoliadas correram em grossos caudais através das margens conformadas que as levam ao destino, naquela ilha acertado...
Dantes, como agora, os deuses foram convocados a patrocinar as hostes. Zeus pelos de antão e Deus pelos de agora. Tenho cá para mim que, nem Zeus nem Deus, nenhum aprovou, não se imiscuíram..., mas..., pensando bem..., optaram, não optando, e..., por isso..., a história tem-se repetido e repetido e repetido...»

               Assim como na noite o dia se contém
               e o sol no fim da trajectória em lua se resolve
               assim emerge o homem desta terra mãe
               que o há-de receber com mãos de quem absolve
                                                                   Ruy Belo "Glauco e Diomides"

São sempre tão elucidativas as conversas com as minhas visitas...

*Este texto foi escrito segundo os termos da ortografia anterior ao recente (des)Acordo Ortográfico.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL