Calor: recomendações da Unidade de Saúde Pública do ACES Baixo Mondego

Face às temperaturas elevadas que afectam o território nacional, a Unidade de Saúde Pública do ACES Baixo Mondego deixa algumas recomendações, salientando que a exposição ao calor intenso pode produzir efeitos negativos na saúde, sendo particularmente vulneráveis: as crianças, os doentes crónicos e as pessoas idosas.
Para se proteger dos efeitos negativos do calor intenso na saúde mantenha-se informado, hidratado, fresco e siga as recomendações da DGS:
• Procurar ambientes frescos (preferencialmente climatizados);
• Evitar que o calor dentro das habitações; deve correr as persianas, ou portadas e mantenha o ar circulante dentro de casa; refrescar a habitação e evite ligar fornos.
• Beber água ou sumos de fruta natural sem açúcar e evitar bebidas alcoólicas;
• Evitar a exposição directa ao sol, principalmente entre as 11 e as 17 horas.
• Utilizar roupa solta (algodão), que cubra a maior parte do corpo, chapéu de abas largas e óculos de sol;
• Utilizar protector solar com factor 30 ou maior e renovar a sua aplicação de 2 em 2 horas;
• Escolher as horas de menor calor para viajar de carro.
• Evitar actividades que exijam grandes esforços físicos;
• Dar atenção especial a grupos mais vulneráveis ao calor, tais como crianças; idosos; doentes crónicos; grávidas; pessoas com mobilidade reduzida; trabalhadores com actividade no exterior; pessoas isoladas;
• Ofereça água aos recém-nascidos, crianças, pessoas idosas e pessoas doentes porque podem não manifestar sede;
• As pessoas com doenças crónicas ou sujeitos a medicação e/ou dietas específicas devem seguir as recomendações do médico assistente;
• Em caso de dúvidas ou de sintomas relacionados com o calor (náuseas, vómitos, dores de cabeça) contacte a Linha Saúde 24 que é 808 24 24 24.

Plano Nacional de Contingência para as Ondas de Calor

O calor pode ter efeitos nocivos sobre a saúde das pessoas. Os principais grupos de risco são os bebés, os idosos, os doentes acamados, doentes crónicos (nomeadamente alcoólicos, insuficientes renais, insuficientes cardíacos, diabéticos), etc.
Em situações de muito calor a transpiração origina a perda de água e sais minerais, podendo levar a uma situação de grave desidratação. Quando exposto durante muito tempo a situações de calor extremo o organismo perde a capacidade de regular a temperatura (perda de calor), surgindo sintomas como a pele vermelha, quente e seca, pulsação rápida e fraca, temperatura corporal elevada (“hipertermia”), vómitos e perda da consciência.
Tendo em vista minorar os possíveis efeitos do calor sobre a saúde das populações, a Direcção-Geral da Saúde tem em vigor de 15 de maio a 30 de setembro o Plano Nacional de Contingência para as Ondas de Calor. Na Região Centro, a coordenação regional do Plano é da responsabilidade da Administração Regional de Saúde do Centro (ARS do Centro).

Telefone 239 488 284
Fax 239 488 289
e-mail: crsp.centro@arscentro.min-saude.pt

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL