Cónicas de tudo e de nada: Isto não é uma crónica

E que me perdoem os leitores que se sentirem invadidos por um sentimentalismo que não lhes diz respeito.
Este post hoje é uma homenagem muito pessoal, à minha Mãe, que hoje faria 100 anos. Partiu há oito anos, lúcida, sensata, informada, preocupada com os outros - como foi durante toda a sua vida.

Recordo-a neste poema que fiz em 2010.

A Mãe
Ligeira e elegante ainda a recordo
Uma presença em todos os momentos,
Ora mexendo a enorme panela
Ora lavando, passando, remendando
As montanhas de roupa dos rebentos.
Aos Domingos, dias santos e de festa
Apesar de toda aquela trabalheira
Punha a blusa de seda e o lenço pelos ombros
E com as amigas e vizinhas lá do largo
Jogava à péla, aos ganizes, às poleiras.
Com cinco filhos e um marido ausente
Era o pilar daquela casa atarefada
E quando ela cantava em momentos de crise
Sabíamos que a seguir viria a frase
“Quando ela vai cantada, vai danada!”
Passaram os anos, saíram os filhos
Entraram os netos e mais os amigos.
Grande e atafulhada a mesma panela
Mesa sempre posta, braços sempre abertos
Venha quem vier, todos são bem-vindos.
Muitas das lembranças, doces quase todas
Ficaram gravadas como numa tela.
Ralhetes, cantigas, castigos, risadas
Casa sempre cheia, família e amigos
E aquele cheirinho a café com canela.
Quem me dera ser como ela é,
Mãe, avó, amiga, guia, confidente.
Quando um dia partir não morrerá
Porque a sua influência é tão marcante
Que há-de ficar connosco eternamente.

(AMC - Setembro 2010)

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL