Ministro do Mar e secretária de Estado das Pescas encerram safra da sardinha na Figueira da Foz

Decorreu ao final da manhã de ontem, dia 30 de novembro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a cerimónia de encerramento da safra da sardinha com a presença do presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes, do ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, da secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, do presidente da Assembleia Municipal, José Duarte, dos vereadores executivos e do vereador eleito pelo PS, Carlos Monteiro, dos autarcas de São Pedro e de Buarcos São Julião, do presidente do conselho directivo do Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA), Miguel Miranda, e de representantes de diversas entidades públicas e privadas ligadas ao sector das pescas.

Pedro Santana Lopes saudou as entidades presentes, nomeadamente os representantes da pesca, uma “actividade profissional tão importante para o país e na Figueira da Foz”, referiu.
O autarca agradeceu ao ministro do Mar e à secretária de Estado por distinguirem o concelho da Figueira da Foz “com o reconhecimento da importância do trabalho que aqui é desenvolvido pelo sector e também pelo reconhecimento das aspirações que a Figueira da Foz tem, quer no que respeita à actividade portuária geral quer nesta área da pesca“, assim como “uma maior atenção por parte daquilo que é a distribuição de recursos e de responsabilidades dos órgãos dirigentes da administração intermédia da administração pública”, salientou.
"Tive oportunidade de ver aquilo que justifica a euforia com estes últimos anos de safra da sardinha, graças ao defeso, à consciência que o mundo vai tomando da necessidade de preservar os stocks existentes, de proteger os recursos naturais”, enfatizou o edil.
Santana Lopes destacou ainda o precedente histórico português relativamente a Espanha e o papel que a comunidade científica tem tido na sustentabilidade da pesca da sardinha e de outras espécies como o carapau, a cavala e biqueirão, uma opinião partilhada por todos os intervenientes.
O autarca referiu-se ainda àquela que considera ser uma obrigação para um presidente de Câmara ou qualquer ministro ou secretário de Estado que “é ser uma enciclopédia, estudar todas as matérias e estar preparado para decidir sobre todas elas“.
O edil elogiou Ricardo Serrão Santos pela “disposição eficiente como tem exercido a sua missão” e reconheceu o trabalho “muito elogiado” de Teresa Coelho e a capacidade de ambos os governantes de lidarem com estes assuntos.

Já o Ministro do Mar enfatizou o papel do associativismo na pesca, considerando que “contribuiu de forma séria e construtiva para a definição da política do sector” e agradeceu à secretária de Estado “todo o empenho e dedicação que tem prestado à gestão deste sector”.
O governante aludiu ao trabalho realizado pelo ministério junto do Conselho Europeu das Pescas e da Comissão Europeia, para atenuar o impacto da pandemia no sector, e também no quadro da presidência portuguesa da União Europeia (UE), nomeadamente na condução das negociações do Fundo Europeu das Pescas, do Mar e da Agricultura e do Regulamento de Controle, “dois importantes dispositivos legislativos da UE”.
Ricardo Serrão Santos referiu que o governo é a favor de um sector das pescas “mais moderno e competitivo, “interligado e dependente da sustentabilidade dos recursos, para fortalecer os outros eixos da sustentabilidade: a sustentabilidade social e económica das nossas comunidades costeiras”.
Anunciou que Portugal irá ver aumentados em cerca de 14 milhões de euros os fundos disponíveis no próximo quadro de apoio, e que “temos vindo a aumentar a captura cumprindo de forma integral as recomendações científicas, emitidas pelo Conselho Internacional para a Exploração do Mar, onde o IPMA é representante nacional”.

A secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho parabenizou “os pescadores, as organizações de produtores, os armadores, toda a comunidade piscatória, pois foram muitos anos de sacrifícios e assim mesmo durante o ano da pandemia fizeram sempre um esforço de abastecimento de pescado aos mercados”.
Teresa Coelho referiu-se ao seu percurso na área das pescas e ao trabalho realizado pelos anteriores ministros, José Apolinário e Ana Paula Vitorino, que decidiram medidas de gestão “muito adequadas” e “colocaram muito empenho na investigação científica, aumentando as suas receitas”.
“A investigação científica esteve ao nosso lado, todos os dias a ajudar, a dizer que temos de fazer esforços, a contribuir para a solução”, enfatizou a governante que salientou ainda o papel das comissões de acompanhamento mensais, na monotorização da safra e implementação de medidas correctivas e preventivas.
A pesca da sardinha foi um exemplo em termos de participação do sector “a replicar noutras pescarias em Portugal”, mencionou Teresa Coelho que espera que “nos próximos anos possamos ter uma atividade tão boa como este ano“, sustentável, assente em três pilares: ambiental, económico e social.

António Lé, (que até há pouco tempo presidiu à Cooperativa de Produtores de Peixe do Centro Litoral), começou por salientar que este ano “dos últimos 20 é o melhor de todos, apesar dos sacrifícios que tivemos de fazer em conjunto com o Ministério”. O armador figueirense sublinhou “o empenho, o respeito tido por todos os pescadores nacionais em conjunto com a ciência” e referiu que “a Figueira é, continua a ser e quer ser uma referência mundial pela boa gestão e valorização da pesca”.
Segundo António Lé, “temos tudo para sermos muito felizes, a safra terminou com chave de ouro e de forma muito satisfatória”, pois os armadores e os pescadores conseguiram recuperar prejuízos e gerar receita, o que “muito se deve à a dimensão dos recursos” mas também ao papel desempenhado “por gente aguerrida, destemida e empreendedora”.
Oportunidade também para elogiar “a attitude brilhante da secretária de Estado pela resiliência e coragem política na defesa dos Pescadores”.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL