Pedro Machado: «Lavos – Para Memória Futura» “é um livro carregado de significado”

O terceiro volume do livro «Lavos – Para Memória Futura» foi apresentado na Casa do Povo de Lavos, instituição para a qual reverte a venda deste título, da autoria de José Elísio, Isabel Oliveira e Lia Costa.
“É um livro simples, mas carregado de significado”, disse Pedro Machado na cerimónia de lançamento.
“Esta terra tem um ADN e, mais do que nunca, é muito importante trazer este conjunto de memórias, de vivências para o presente e para a memória futura”, disse o candidato à Câmara Municipal da Figueira da Foz, pelas listas do PSD.
 
Partindo “do princípio que para preparar o futuro o ideal é viver o presente e não esquecer o passado”, José Elísio – que é também o candidato da «Figueira da Futuro» à Junta de Freguesia de Lavos – recordou que “esta obra resulta da boa vontade e preocupação” dos seus autores em “deixar para as gerações vindouras estas boas memórias”.
Isabel Oliveira lembrou que “este é um livro que não fala de grandes homens a nível nacional, mas sim de pessoas simples e modestas, da forma de viver de muita gente, vidas sofridas que contêm uma grande parte da história” da freguesia de Lavos.
Coube a Lia Costa revelar uma das muitas descobertas feitas durante a fase que antecedeu à escrita do livro.
“Com a pesquisa que fizemos, descobrimos que havia uma fábrica de azulejos nos Carvalhais. Na imagem deste azulejo podíamos ter dado um retoque, mas, a verdade é que a riqueza destes azulejos está nas suas fissuras, pois é aí que está a sua história”, explicou uma das autoras.
Para além de perpetuar no tempo e espaço as memórias deste território e das suas gentes, o livro representa, também, uma homenagem.
“O José Elísio queria uma imagem que incluísse o mar e um pinheiro. Podíamos ter escolhido uma imagem da nossa praia, mas optámos por esta imagem do mar bravo como forma de homenagear a bravura do povo de Lavos. O pinheiro é também um símbolo importante da nossa história, pois a nossa freguesia tem estas duas vertentes: mar e floresta”, destacou Lia Costa.
A propósito de homenagem, José Elísio lembrou que há uma figura crucial da história de Lavos que será em breve homenageada.
“A estátua do marnoto já anda na minha cabeça há muitos anos. E vai ser feita. Só ainda não o foi pois é preciso muito dinheiro, além de escolher o local certo para a colocar”, disse, recordando ainda que “muito do que se tem feito na freguesia deve-se aos apoios dos privados”.
 
Presente na cerimónia, o provedor da Misericórdia – Obra da Figueira da Foz enalteceu o papel que a freguesia de Lavos tem na cultura concelhia.
“Lavos tem sido um exemplo do ponto de vista cultural para todo o concelho. É essencial que Lavos retome essa linha cultural que foi bem desenvolvida até há cerca de oito anos. 
O ambiente cultural que se vive em Lavos emana das formas culturais do povo. A cultura de um povo só se desenvolve se vier da sua raiz”, disse Joaquim de Sousa, lembrando ainda um marco histórico da freguesia.
“A história do desembarque do Wellington podia potenciar o turismo, mas, alguém no Museu Municipal da Figueira da Foz acha que o Wellington não esteve aqui”, afirmou.
 
De destacar que as verbas angariadas com a venda deste terceiro volume revertem, na sua totalidade, para a Casa do Povo de Lavos, representada na cerimónia pela presidente da direção.
“Queremos deixar aqui um forte agradecimento aos autores desta obra, que nunca se esquecem da nossa Casa do Povo de Lavos que, nestes tempos de pandemia, tem sido muito difícil gerir”, sublinhou Maria Adelaide.
As verbas do primeiro e segundo volume de «Lavos – Para Memória Futura» reverteram, respectivamente, para o Centro Social e Paroquial de Lavos e Sociedade Artística Musical Carvalhense.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL