Comportamento do fogo investigado em Montemor-o-Velho

Montemor-o-Velho foi, mais uma vez, palco de ensaios de campo para estudar o comportamento do fogo. Com coordenação do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), os testes realizados visaram recolher informações no âmbito de cinco projectos de investigação em que a equipa da ADAI está envolvida.
De acordo com o responsável pelo laboratório da ADAI, Domingos Xavier Viegas, “para além das condições de excelência”, não apenas no que diz respeito à segurança, mas também ao terreno, plano, de grande extensão e com vegetação uniforme, permitindo fazer ensaios de propagação do fogo em condições apenas dependentes do vento ou da ignição, a realização destes ensaios em Montemor-o-Velho deve-se também "ao apoio e interesse que temos tido por parte da Câmara Municipal, sempre disponível para colaborar nos nossos projectos".
Os investigadores estiveram em Montemor-o-Velho a ensaiar o projeto da Agulheta Autoportante (SAP), em que um drone com uma mangueira acoplada faz o ataque ao fogo a uma distância segura em relação à frente de fogo. Este inovador equipamento, que permite que os operadores estejam seguros e a combater o fogo, está a ser desenvolvido pela ADAI, Jacinto (que lidera o estudo) e Sleeklab, sendo financiado pela Agência Nacional de Inovação.
Também a propagação de fogos em condições extremas foi alvo de testes no seguimento do projecto Firestorm, financiado pela Fundação Ciência e Tecnologia, que envolve a ADAI, o IPMA, a Universidade de Aveiro e a Universidade de Lisboa, que procura identificar as condições climáticas e meteorológicas associadas a estes eventos extremos de fogo.
Durante os ensaios foi ainda estudada a acumulação do sinal de rádio, das ondas eletromagnéticas, devido à presença de fogo, para avaliar de que forma o fogo afecta as comunicações, tendo sido testadas frequências iguais à do sistema SIRESP.  Este projecto, financiado pela Fundação Ciência e Tecnologia, está a ser desenvolvido pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Politécnico de Leiria.
Em teste esteve ainda a Interfacesegura, para estudar a propagação de fogos na interface urbano-florestal.
A preparação dos talhões para os ensaios foi efectuada por um robot desenvolvido pela ADAI, em conjunto com a Canegie Mellon University, a Ingeniarius e o Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra. Ainda em fase de desenvolvimento, este robot semiautónomo vai permitir uma redução dos custos associados à manutenção da floresta, nomeadamente na limpeza das faixas de gestão utilizadas como barreira de combustível.

 

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL