Montemor-o-Velho avança com alternativa à ponte sobre o Mondego em Alfarelos

O Município de Montemor-o-Velho vai avançar com a reparação de dois troços de caminhos agrícolas, que vão desde o Marujal a Montemor-o-Velho, para dar uma resposta ao condicionamento de trânsito a veículos pesados devido à reabilitação da ponte sobre o rio Mondego, em Alfarelos.
O protocolo de colaboração técnica e financeira para a conservação de dois troços da estrada marginal do Leito Central do Rio Mondego, celebrado com a Agência Portuguesa do Ambiente, IP (APA) foi, esta quarta-feira, aprovado, por unanimidade, em reunião de câmara.

"Sempre disse que Montemor-o-Velho seria parte da solução. Vamos executar estas obras, que permitirão criar uma alternativa, temporária, para viabilizar o trânsito pesado enquanto durar a intervenção na ponte", afirmou o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho.
Emílio Torrão explicou ainda que estavam em causa a segurança e o bem-estar das populações, bem como a necessidade de criar alternativas e desvios para a circulação de pesados, tão afetada com o encerramento ao trânsito durante um ano.

"Houve um acordo entre o então ministro das Infraestruturas e da Habitação, o Ministro do Ambiente, a APA, a Câmara de Montemor-o-Velho e a Câmara de Soure, no sentido de se reconstruir temporariamente estes dois troços de caminhos agrícolas (que estão sob jurisdição da APA), por forma a desviar o trânsito de pesados por essas estradas", sublinhou Emílio Torrão.

Assim, o Município de Montemor-o-Velho vai agora recuperar dois troços de estrada, com uma extensão total de 9.270 metros. Um na margem esquerda da estrada de manutenção do Leito Central do rio Mondego, entre a EN341 em Alfarelos e a Ponte de Verride. E o segundo na margem direita entre a ponte de Verride e a passagem hidráulica do Leito Abandonado do Mondego, em Montemor-o-Velho, bem como a reparação do pavimento da Ponte de Verride e os respetivos acessos das margens esquerda e direita.

"Como é urgente fazer essa obra", a Câmara de Montemor-o-Velho, que tem capacidade técnica própria, no âmbito do protocolo assinado, vai fazer a recuperação desses dois troços, que vão desde o Marujal a Montemor-o-Velho. O edil montemorense informou ainda que a obra, que terá uma duração estimada em cerca de 4 meses será executada pelos serviços municipais e, após a reabertura da ponte de Alfarelos, os troços passarão "novamente a caminho agrícola", sendo uma "solução temporária".

Recorde-se que o tráfego na ponte sobre o rio Mondego em Alfarelos foi cortado pela IP, durante um ano, para obras de reabilitação. 
Por forma a salvaguardar a segurança rodoviária e da população face ao previsível aumento de tráfego, o Município de Montemor-o-Velho condicionou a circulação de pesados nas estradas municipais que atravessam os núcleos urbanos de Verride, Vila Nova da Barca, Formoselha, Pereira, Ereira e Montemor-o-Velho. A inexistência de passeios em algumas das vias, a sua dimensão, a proximidade das habitações às estradas, a prevalência de uma população envelhecida com mobilidade reduzida e a segurança pedonal foram alguns dos fatores que motivaram o condicionamento de trânsito. 

O Município de Montemor-o-Velho esteve sempre em directa articulação com a CIM-Região de Coimbra, o Município de Soure, a IP e o Estado Português por forma a encontrar soluções que minimizassem o impacto do encerramento da ponte para a população.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL