Tradições e curiosidades de Carnaval no Centro de Portugal

O Carnaval assume uma importância significativa no Centro de Portugal. Esta festividade anual une comunidades, em alguns casos há séculos, e proporciona aos visitantes uma experiência única e memorável.
Com raízes profundas na sua rica herança cultural, o Carnaval no Centro de Portugal destaca-se pela fusão de tradições antigas e elementos contemporâneos.
Do litoral ao interior, nas cidades, vilas e aldeias, as pessoas unem-se em torno destas celebrações. Prepararam carros alegóricos, ensaiam em escolas de samba, preparam disfarces, cartazes e músicas com sátiras políticas e sociais… E as críticas, por vezes, são mordazes, mas muito divertidas.
Afinal, e como diz a tradição, «É Carnaval, ninguém leva a mal».
O Centro de Portugal, marca da diversidade, é também o reflexo desta mistura de culturas e tradições. Aqui, há de tudo, para todos os gostos.
O destaque deste ano, da Turismo Centro de Portugal, vai para o Carnaval de Torres Vedras, um dos Carnavais mais antigos e autênticos do país que comemorou em 2023 os seus 100 anos.
Igualmente divertidos e animados são os tradicionais Carnavais de Ovar, Estarreja, Mealhada, Figueira da Foz, Nazaré e Alcobaça, entre tantos outros.
Se porventura gosta deles genuinamente portugueses, onde ainda se sentem as tradições ancestrais, imperdíveis serão o «Dança dos Cus», uma tradição secular em Cabanas de Viriato, o Entrudo Tradicional das Aldeias do Xisto de Góis, ou o Carnaval de Canas de Senhorim e Nelas.
Conheça algumas das tradições mais emblemáticas do Entrudo no Centro de Portugal.

CARREGAL DO SAL
«Dança dos Cus» em Cabanas de Viriato – Uma tradição peculiar

A peculiar tradição da «Dança dos Cus» faz de Cabanas de Viriato, em Carregal do Sal, um local único durante as festividades do Carnaval.
Diferenciando-se de muitos outros carnavais de maior projeção no país, Cabanas de Viriato opta por preservar uma tradição secular e inigualável.
Esta prática remonta ao século XIX, quando, entusiasmados pelos aplausos recebidos após uma apresentação no Teatro dos Bombeiros, os actores decidiram levar a celebração para as ruas da vila.
Foi assim que nasceu a famosa «dança grande», mais tarde batizada de «dança dos cus». Nesta dança peculiar, os participantes desfilam vestidos, mas preparados para um choque engraçado: ao terceiro compasso da música, os pares, divididos em duas filas, voltam-se para o centro e chocam os traseiros. Este momento extravagante, cheio de humor e espontaneidade, tornou-se uma atração emblemática do Carnaval de Cabanas de Viriato.
A Associação de Carnaval de Cabanas de Viriato mantém viva essa tradição secular, organizando o evento anualmente. Com mais de 100 anos de história, o Carnaval preserva sua autenticidade e encanta pela sua forma "desorganizada", espontânea e natural.
Ao som da valsa da Filarmónica e com a presença de cabeçudos, a dança dos Cus ganha vida, atraindo turistas curiosos que desejam testemunhar essa manifestação cultural única e divertida.
+INFORMAÇÕES


ESTARREJA
O primeiro Carnaval do Mundo para Daltónicos

Colorido, vibrante e belo. O Carnaval de Estarreja, um dos mais antigos do país, apresenta anualmente um grandioso espetáculo de Carnaval, com o desfile de grupos de folia, de passerelle e escolas de samba.
O Carnaval de Estarreja 2024 é o primeiro em todo o Mundo a fazer o caminho da inclusão através da cor, com a implementação do Código de Identificação de Cores para Daltónicos ColorADD, uma linguagem única, universal e integradora que faz com que a cor chegue a Todos.
+INFORMAÇÕES


FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO
Onde as mulheres se mascaram de homens e os homens de mulher

O Entrudo Lagarteiro corresponde a uma tradição de uma aldeia do concelho Figueira de Castelo Rodrigo, Vilar de Amargo.
Aqui, as mulheres mascaram-se de homem e os homens de mulher, usando rendas e máscaras de cortiça com o objectivo de esconderem a face, impossibilitando, por conseguinte, a respectiva identificação nas brincadeiras e pantominices típicas da ocasião.
É uma forma própria e distinta de vivenciar a época carnavalesca, num evento que contempla atividades tão diversas como provas gastronómicas, teatros, espetáculos de fogo e caminhadas, entre outros.
+ INFORMAÇÕES


.GÓIS
Corrida do Entrudo nas Aldeias do Xisto de Góis

Nas Aldeias do Xisto de Góis, o Entrudo vivia-se de forma simples. Procurava-se roupa e objectos velhos, algo que ocultasse o rosto. Os mais criativos e engenhosos usavam uma máscara feita a partir de cortiça, a imagem de marca da iniciativa que ainda hoje acontece. Recuperada pela Lousitânea, esta tradição anima as ruas estreitas e as praças históricas das Aldeia do Xisto de Aigra Nova e das aldeias vizinhas, em palcos vivos de celebração, todos os anos no Carnaval.
Esta prática, que remonta a tempos imemoriais, representa uma fusão única entre a alegria popular e as raízes culturais profundas que caracterizam a região.
Por esta altura, há espaço para o bailarico ao som das concertinas, o Jogo do Pau, a queima do Entrudo, o atelier de máscaras de cortiça e a declamação das quadras jocosas. 
+INFORMAÇÕES


ÍLHAVO
Saltam os Cardadores, personagens míticas de Vale de Ílhavo

O Carnaval de Vale de Ílhavo, em Ílhavo, proporciona folia e diversão, conferida pela beleza dos fatos e carros alegóricos, aliando a cor e a alegria à sátira social e brejeirice.
Os Cardadores, personagens míticas de Vale de Ílhavo, únicas no Mundo, também costumam marcar presença nesta iniciativa com as suas brincadeiras, saltos e corridas inesperadas, percorrendo o cortejo e misturando-se no meio do público num corrupio, provocando grande alarido devido aos apitos, sinetas e guizos que trazem amarrados a si e aos excêntricos trajes que envergam.
A tradição exige que os homens, geralmente solteiros, que saem à rua para «cardar» as raparigas, não se deixem identificar, usando uma máscara perfumada feita com pele de ovelha branca, revestindo-se as aberturas dos olhos e da boca com rodelas de cortiça pintadas de vermelho.
A cabeça é enfeitada por longas fitas coloridas, de diferentes tamanhos, que descem até ao fundo das costas, formando uma multicolor cabeleira. O nariz é comprido e de forma fálica, feito com panos vermelhos e o bigode é formado por crina.
A esta grande festa junta-se o Pão de Vale de Ílhavo, tão típico desta que é uma das mais recentes Aldeias de Portugal. 
+INFORMAÇÕES


NAZARÉ
A Romaria que sobe o Monte

É sempre ao dia 3 de fevereiro que decorre a tradicional festa de S. Brás e a romaria ao Monte de S. Bartolomeu, uma celebração ancestral que marca, há décadas, o arranque oficial do Carnaval na Nazaré.
As origens da Romaria de S. Brás, considerada uma das mais genuínas manifestações populares da Nazaré, perdem-se nos tempos e confundem-se com a lenda.
De acordo com a tradição oral, quando Frei Romano e D. Rodrigo, último rei visigodo na Península Ibérica, se refugiaram na Nazaré trouxeram, além da imagem de Nossa Senhora da Nazaré, as relíquias de S. Brás e de S. Bartolomeu. A veneração aos dois santos resistiu ao passar dos tempos, e se S. Bartolomeu deu o nome ao Monte onde se situa a ermida, S. Brás mantém a sua romaria como uma das mais importantes festas populares de toda a região.
Hoje, faz-se a subida à capela de S. Bartolomeu, através de uns íngremes degraus, até alcançar uma das mais belas vistas panorâmicas de toda a região. No sopé do monte, milhares de pessoas acampam durante o dia e, em jeito de piquenique, à volta de fogueiras, assam carne, peixe e enchidos, regados com boa disposição e muita animação. 
+INFORMAÇÕES


MIRA
Os ousados, fascinantes e vibrantes Caretos da Lagoa

Os Caretos da Lagoa emergem como personagens fascinantes e enigmáticos durante as festividades do Entrudo, oferecendo uma expressão única da tradição carnavalesca, no Centro de Portugal. A tradição remonta a tempos antigos, quando a saída dos Caretos simbolizava um ritual pagão, marcando a transição dos rapazes para a idade adulta.
Estes foliões do sexo masculino vestem-se com trajes femininos vibrantes, adornados com máscaras de cartão, com chifres e serpentinas. Ao redor do pescoço, penduram chocalhos e guizos. O uso das «campinas» é restrito aos homens, simbolizando a virilidade, embora confunda ao incorporar a saia vermelha, uma fusão entre o humano, o diabólico, o religioso e o profano.
Com uma aparência quase demoníaca, os Caretos, sempre em grupo e ocultando as suas identidades, causam tumulto nas ruas com um alarido de sons, urros e campainhas. Saltam, provocando e exibindo um ritual misto de desafio, ousadia e sedução em direção às moças e mulheres de todas as idades, especialmente as jovens solteiras.
+INFORMAÇÕES


NELAS
Canas de Senhorim, uma tradição ancestral

O Carnaval em Canas de Senhorim tem raízes profundas na história local. Nasceu com a formação dos bairros do Paço, na zona nobre, e do Rossio, onde se instalou o povo e a burguesia. A diferença social dos seus habitantes foi razão suficiente para que estes dois grupos se confrontassem no Carnaval, altura do ano propícia à denúncia e à crítica, sem ninguém "levar a mal".
O Carnaval de Canas de Senhorim tem início logo no dia 6 de janeiro, Dia de Reis, com as Paneladas. Originariamente, era a altura em que os mascarados saiam pelas ruas e, aproveitando os tradicionais postigos das portas, atiravam para dentro das casas panelas de barro velhas, cheias de cinzas e bugalhas, provocando grande estrondo e confusão. No entanto, este costume tem vindo a desaparecer.
Actualmente, a festa oficializa-se no Domingo Gordo, em que as duas marchas rivais saem à rua, preparando o grande desfile carnavalesco de Terça-Feira. Na Segunda-Feira de Carnaval, pela manhã, acontece a Farinhada, em que as raparigas que saem de casa, até ao meio dia, correm o risco de serem enfarinhadas. À tarde, é a Segunda-Feira das Velhas: cantam-se marchas antigas e o desfile faz-se com fatos alusivos ao passado.
O Carnaval termina na Quarta-Feira de Cinzas, com a Queima do Entrudo. Depois da Batatada, jantar de grupo cujo prato principal é o bacalhau com batatas, ovos, hortaliça, pão e vinho, o palhaço do Entrudo é passeado pelas ruas, fazendo-se a despedida do Carnaval. Depois da leitura do testamento, o boneco é queimado em público, determinando o fim da festa e o início da Quaresma. 
+INFORMAÇÕES


TORRES VEDRAS
100 anos de folia e boa disposição

O Carnaval de Torres Vedras é um evento secular. Celebrou 100 anos em 2023.
Mantendo-se fiel às tradições, o Carnaval de Torres Vedras destaca-se pelos seus elementos distintivos, como os Reis, as Matrafonas, os Carros Alegóricos, os Cabeçudos, os Cocotes e o Boneco do Entrudo. Realiza-se ao longo de seis dias e assume-se como o Carnaval mais português de Portugal, com toda a sua sátira política, social e desportiva, local, nacional e internacional.
Os festejos têm início na manhã da sexta-feira que antecede o domingo de Carnaval, com o animado Corso Escolar que reúne milhares de foliões de toda a comunidade escolar. Durante a tarde, o Baile Tradição cativa os adultos. À noite, celebra-se a solene Chegada e Entronização dos Reis, momento em que o Presidente da Câmara Municipal entrega as chaves da cidade a Suas Altezas Reais, os Reis do Carnaval de Torres, para seis dias de alegre reinado.
No sábado à noite, destaca-se o Corso do Concurso dos Grupos de Mascarados, com a participação entusiasmada de aproximadamente 40 grupos e 2.000 participantes. O Tó′Candar, um imponente camião com uma banda ao vivo, cria uma atmosfera envolvente, arrastando consigo uma multidão animada, uma cena que se repete nos corsos dos dias subsequentes.
O domingo e terça-feira são dias de Corso Diurno, quando os carros alegóricos fazem a sua estreia nas ruas, repletos de sátira política, social e desportiva, com uma abordagem tanto local quanto nacional e internacional. Além disso, participam nesses desfiles os Cabeçudos, os Zés Pereiras, os Cavalinhos (bandas de música), as Matrafonas e vários grupos de mascarados, criando uma atmosfera única de alegria e diversão.
Na segunda-feira, o Corso Trapalhão toma conta das ruas, levndo consigo a maior desorganização organizada do Carnaval de Torres Vedras. Nesta noite, a atmosfera é de pura brincadeira, e todos têm a oportunidade de extravasar alegria e criatividade. Destaque especial é dado aos Carros Espontâneos, veículos transformados por grupos de foliões, que assumem um papel proeminente, acrescentando um toque espontâneo e inusitado a esta festa cheia de energia e descontração.
Na quarta-feira de cinzas, o Carnaval de Torres Vedras encerra com um desfile iluminado por tochas e velas que percorre o centro da cidade. O dia é marcado por um julgamento cheio de alusões satíricas realizado no Tribunal de Torres Vedras. Após o julgamento do Rei, o evento culmina na queima do Boneco do Entrudo.
Além dos corsos, esta festividade é também conhecida e procurada pela animação que se espalha por quatro praças, pelas ruas do centro histórico, pelos bares e pelas discotecas da cidade, mantendo-se viva até as primeiras luzes do amanhecer.
Este é o Carnaval de Torres Vedras, uma celebração que transcende os desfiles, mergulhando toda a cidade numa atmosfera festiva e contagiante.


Carnaval no Centro de Portugal: diversidade, tradição e alegria

Além destas, há muitas outras celebrações de Carnaval a decorrer em toda a região Centro de Portugal.
Pode conhecer todas, ou quase todas, neste artigo: https://turismodocentro.pt/artigo/carnaval-e-no-centro-de-portugal

 

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL