Petição defende desagregação da Freguesia de Buarcos e São Julião

Está a correr na Internet a petição «Por Buarcos e São Julião com Freguesias constituídas por órgãos autárquicos e territórios distintos e autónomos». Hoje de manhã alguns dos proponentes desta petição realizaram uma acção de rua, junto ao Mercado Municipal Eng. Silva, de recolha de assinaturas.
A petição propõe “a defesa da desagregação da Freguesia de Buarcos e São Julião, a ser enviada a sua Ex.ª o Ministro-Adjunto Eduardo Cabrita, com conhecimento à Associação Nacional de Freguesias e à Assembleia Municipal da Figueira da Foz, no sentido de voltarem a ser individualizadas as Freguesias de Buarcos e de São Julião, de acordo com o anterior modelo de organização territorial das Freguesias”.
O texto (que pode ser lido e subscrito aqui) refere ainda que “a presente proposta tem por fundamento único e inquestionável o facto das anteriores Freguesias de Buarcos e de São Julião numa só freguesia, denominada Buarcos, ter sido levada a cabo à revelia das assembleias das duas freguesias supra-referidas e contra o sentir e a vontade de ambas as populações, mais tarde rectificado o nome da Freguesia de Buarcos em Assembleia de Freguesia para Buarcos e São Julião”.

Pedro Rodrigues Jorge, um dos proponentes da proposta, num texto de opinião que abaixo transcrevemos defende que “as populações destes diferentes territórios nunca foram auscultados e depende de nós, simples e humildes cidadãos, corrigir tal «crime» praticado sobre a população de São Julião e a população de Buarcos para que possamos devolver a sua identidade social, autonomia territorial e administrativas aos cidadãos de Buarcos e São Julião”.

 (...)

POR BUARCOS e SÃO JULIÃO com FREGUESIAS INDEPENDENTES!!!

Ser Cidadão Proactivo pressupõe sempre em abandonar a nossa zona de conforto, dar o nosso melhor, muitas vezes com prejuízo pessoal, em prol do bem comum, nos interesses maiores de um colectivo cuja nossa relação directa é apenas suportado pelo vínculo do altruísmo e solidariedade humana…
Apesar de imperar a apatia, o egoísmo e o conformismo nas sociedades contemporâneas, existe sempre quem renegue o amorfismo reinante e exerça uma cidadania proactiva de forma anónima e discreta mas que se manifesta tal como seja no calçar umas luvas de cabedal e limpar as praias de plásticos e outros materiais nefastos para os oceanos;
Na limpeza de florestas e ecossistemas degradados pela a acção humana;
Na vontade férrea de agarrar em enxadas e foices para limpar valas e ribeiros que há anos não tem água limpa e transparente a percorrer os seus leitos devido ao lixo, matagal e silvado;
Na limpeza e manutenção de trilhos pedestres na Serra;
Na dedicação extrema, graciosa e gratuita nas corporações de Bombeiros e Cruz Vermelha;
Nas noites de intempérie percorridas na cidade para dar uma refeição quente e agasalho a quem não tem teto;
No voluntariado inexcedível de longas horas afio nas grandes superfícies na recolha de alimentos para pessoas e animais;
No acompanhamento e carinho aos enfermos e doentes nos Lares e Hospitais;
Na organização e confecão de jantares e eventos solidários sendo as receitas pecuniárias sempre para quem mais precisa dentro da comunidade;
Na angariação de materiais de construção e vergar a mola na melhoria de habitabilidade de casas nomeadamente em construir telhados, tapar infiltrações, cozinhas ou dotar de condições sanitárias, etc, etc, etc...
Existem igualmente muitos “cidadãos” e "iluminados" que se autoproclamam de ser "muito" proactivos nomeadamente no paleio para o ar em esplanadas de café ou em redes sociais onde a única conjugação verbal presente é somente o "eu". Mas caso tivessem de empurrar uma carroça e esta não estivesse travada, ela certamente andaria para trás... no entanto havendo dividendos, serão os primeiros a querer usufruir.
Desde a Roma antiga que interessa aos governantes ter um Povo amorfo, silenciado, domesticado e apático para assim melhor se perpetuarem no Poder…
Não perdendo o foco e a perspectiva positivista da Cidadania, no âmbito desta proactividade civica já no passado houve alguns Figueirenses que teimaram em não ser apáticos nem conformados e Salvaram o Parque de Campismo Municipal e o antigo Campo de Treinos da Naval 1º de Maio (atuais campos sintéticos) de ser betonizados de acordo com interesses de poderes instituídos nas diferentes épocas em causa. Com este minoritário inconformismo, HOJE as gerações presentes podem usufruir destes espaços de Desporto, Lazer e Natureza.
HOJE temos uma situação de profunda injustiça e cujos os efeitos práticos se revelaram desastrosos como foi a Extinção ou Agregação ou Anexação ou Fusão, etc (a terminologia fica ao critério de cada um…) da FREGUESIA DE BUARCOS com a FREGUESIA DE SÃO JULIÃO.
As populações destes diferentes territórios nunca foram auscultados e depende de Nós, Simples e Humildes Cidadãos corrigir tal “crime” praticado sobre a População de São Julião e a População de Buarcos e possamos devolver a sua Identidade Social, Autonomia Territorial e Administrativas aos Cidadãos de Buarcos e São Julião.
Por isso, apelo enquanto Cidadão que subscrevam a Petição Pública abaixo presente e a partilhem para que possamos muito brevemente dar uma Bela Prenda às Duas Populações!!!
Em penúltimo, agradecer a todos os 60 Cidadãos que foram incansáveis na recolha das subscrições desta Petição em formato de papel e cujo processo estamos a finalizar e será entregue a quem de Direito, que infelizmente, até há data nada fez para corrigir esta injustiça praticada para com as Populações de Buarcos e São Julião.

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL