Diz surfista Rodrigo Koxa: “Portugal mudou o cenário das ondas gigantes”

É uma honra sem tamanho estar aqui em Portugal depois de ter surfado a onda da minha vida e reencontrar o Pedro que bateu a foto que mudou a minha vida. Passei a vida inteira a buscar algo especial e aqui juntou-se o talento dele, com uma foto especial, um enquadramento e ângulo especial”, disse hoje de manhã Rodrigo Koxa, na Escola Dr. João de Barros.
“Esta onda mudou a minha vida por completo, sempre surfei na «grande», trabalhei a vida inteira para estar nos dias maiores de ondas gigantes pelo mundo. Entendi que aqui era a «bola da vez», Portugal mudou o cenário das ondas gigantes, Nazaré passou a ser a onda mais cobiçada e tem, cada ano que vem, mais «big raiders» e fotógrafos do mundo inteiro”, afirmou.

“Quem faz caridade não precisa fazer publicidade”

O recordista da maior onda surfada esteve acompanhado por Pedro Cruz, o foto-jornalista que captou o momento. Acompanhados por José Castanho (director do Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz), inauguraram um mural dessa fotografia histórica.
Recorde-se que Pedro Cruz vendeu a imagem em leilão tendo por objectivo angariar verbas destinadas a apoiar a construção das instalações da Associação de Bodyboard Foz do Mondego, destruídas com a passagem da tempestade Leslie. A imagem foi oferecida à escola pelo comprador que preferiu manter o anonimato.
“É bacana, legal, surfar e pegar ondas mas ainda mais gratificante é saber que podemos fazer parte de uma acção que envolve solidariedade, com pessoas que têm essa empatia de se colocar no local do outro. É muito bonito o gesto do comprador (da foto), porque quem faz caridade não precisa fazer publicidade”.

“Meu sangue é tuga”

Koxa confidenciou que nesta passagem por Nazaré e Portugal descobriu ser descendente de um português: “tenho um avô que fugiu de Portugal na época de conflito e foi para o Brasil. Através deste recorde comecei a trabalhar a cidadania portuguesa. Quero resgatar essa minha origem, até porque me sinto um pouco tuga também, meu sangue é tuga”.
De partida para o Brasil, garantiu ser sua intenção numa próxima oportunidade surfar na Figueira da Foz.

“É importante para cidade receber o recordista do mundo”

A imagem que logo correu mundo é para o foto-jornalista figueirense “um momento trabalhado e pensado durante muitos anos. Foram 10 anos de trabalho e finalmente conseguimos reunir as condições todas e fazer esta fotografia”.
Pedro Cruz mostrou-se “satisfeito por ajudar a minha cidade. É importante para cidade receber o recordista do mundo”.
Apesar do mediatismo à escala global com a imagem captada, admite que “está tudo igual, a vontade e determinação são as mesmas. Esta fotografia deixou de ser minha, é do mundo, as pessoas devem aproveitar esta fase boa, esta energia boa que está a acontecer na Figueira da Foz”.
Sobre a campanha solidária, sustentou que “de certa forma faço parte da Associação, foram eles que me educaram e que mostraram como hei-de olhar para o mar. Isto não é dar nada, é retribuir tudo o que eles me deram até agora. Se Nazaré apareceu na minha vida foi porque acompanhava as provas e as surfadas dos intervenientes que a escola tem, nomeadamente alguns alunos que são referências nacionais e alguns foram campeões europeus e mundiais”.

“Colocar a Figueira da Foz no mapa mundial das ondas”

“Sei o que é surfar na Nazaré, há muitos anos fui um dos pioneiros a desbravar aquela praia numa altura em que não havia motas (de água) nem nada”, disse por seu lado Nuno Trovão, reconhecendo o feito de Rodrigo Koxa.
O responsável pela Associação de Bodyboard Foz do Mondego endereçou igualmente palavras de agradecimento a Pedro Cruz: “o gesto dele fala por si, tenho um grande carinho pelo trabalho dele e pela pessoa que é”.
O seleccionador nacional de bodyboard adiantou que as obras de requalificação da Associação vão começar na próxima segunda-feira: “ainda não temos o dinheiro todo, mas contamos com o apoio do IPDJ, da Câmara, com verbas que angariámos, além do seguro, para fazer uma maior e melhor escola. Não foram fáceis estes meses, ficámos apenas 15 dias sem dar aulas aos nossos alunos. Mas se nós fizemos uma escola há sete anos, vamos fazer outra, maior e melhor com o apoio de toda a gente”.
Para Nuno Trovão, “as obras vão acabar a meio de março. É um excelente timing, a partir de abril começamos a ter muitos mais alunos. Com o bom tempo, dos 60 alunos de inverno passamos para 120 ou 150”, além da normal actividade relacionada com o desporto escolar e outros programas que a associação se encontra a preparar. “Por exemplo, com a Académica, para trazer para figueira os «Erasmus» para surfar. Entretanto, “vamos continuar a fazer o que temos feito nestes 25 anos, produzir campeões de bodyboard e de surf e colocar a Figueira da Foz no mapa mundial das ondas”.

(Jorge Lemos)

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

geral@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL