Reset

Em português, «Reset» significa redefinir, reinicializar ou reconfigurar algo.
Não tenho qualquer dúvida de que o concelho da Figueira da Foz necessita, de forma transversal, de um RESET.

Claramente que o passado não tem que definir o futuro.
As velhas fórmulas de crescimento não funcionam na actual economia do conhecimento, já globalizada, agora a especializar.

Encontramos nos grandes centros urbanos (que de grande tem também a ambição dos seus líderes e a visão clara do que é crescimento efectivo) exemplos de como se pode fazer muito com o pouco, bastando apenas ideias, pessoas e vontades.

O investimento é necessário, sim senhor, mas é tudo uma gestão de prioridades, que ficará para outro texto.

Assim, de repente, lembro-me de Braga, Lisboa ou Fundão que tem à frente dos projectos os próprios autarcas (Ricardo Rio, Fernando Medina e Paulo Fernandes, respectivamente), pessoas que admiro pela visão e capacidade de diferenciação, além de se terem rodeado de uma autêntica equipa “top gun”, ou seja, os melhores dos melhores nas suas áreas.

Quando não há condições criam-se!
Quando não há ideias, tocam-se os sinos a rebate e chama-se quem está no terreno, os cidadãos.
Quando não se sabe para onde se quer ir, pára-se e repensa-se tudo.
Não somos donos de verdades absolutas e pedir “ajuda” não é um sinal de fraqueza, mas de inteligência.

Sinto que a cidade vive num universo paralelo que não corresponde ao que leio, ouço ou constato.

Sei que temos uma matéria-prima de figueirenses que merecem mais e melhor.
Sei que temos todas as possibilidades de darmos “cartas” na geografia regional em várias frentes onde nos deixámos ultrapassar.

Podemos ser re(conhecidos) em várias frentes. A questão é por que é que ainda não somos?
Há assuntos muito mais importantes e críticos do que o desenvolvimento de um centro de alto rendimento de futebol de praia. Olhemos para o nosso primeiro. Vamos primeiro chamar a nós quem temos “dentro” de casa e ver o que podemos oferecer-lhes.

Já demos vários “passos para o desconhecido” e o resultado está à vista.
Existe um futuro alternativo.
Risonho!
Diferenciador.
Onde, daqui a poucos anos, muitos dirão com orgulho que querem viver na Figueira da Foz pois agora é mais cosmopolita e fervilha de novas pessoas com novas ideias.

E quem sabe uma delas não é a próxima unicórnio global? («startup» com um elevado potencial de crescimento em pouco tempo e com uma avaliação de mil milhões de euros.) Elas terão que sair de algum lado!

Também creio que, se não fizemos um RESET rápido, o futuro vai ser igual ao passado.
O destino poderá ser a irrelevância estratégica com tudo de negativo que daí advém.
Vamos crer que não.

 

COMENTÁRIOS

ou registe-se gratuitamente para comentar.
Critérios de publicação
Caracteres restantes: 500

mais

QUEM SOMOS

O «Figueira Na Hora» é um órgão de comunicação social devidamente registado na ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social). Encontra-se em pleno funcionamento desde abril de 2013, tendo como ponto fulcral da sua actividade as plataformas digitais e redes sociais na Internet.

CONTACTOS

967 249 166 (redacção)

910 496 991 (comercial)

geral@figueiranahora.com

comercial@figueiranahora.com

design by ID PORTUGAL